Demissão Consensual: como fazer esse tipo de acordo

Saiba como funciona e como conceder, dentro dos parâmetros legais, uma demissão consensual aos seus colaboradores.

Demissão consensual acordo

A Reforma Trabalhista de 2017 instituiu uma nova alternativa para o desligamento de um colaborador, a demissão consensual. Neste formato, empregador e empregado definem, em comum acordo, pelo fim do contrato de trabalho.

A opção foi implementada para regulamentar uma ação que, antes, era feita ilegalmente - ou seja, um colaborador a fim de se desligar da empresa fazia um acordo “por debaixo dos panos” com o empregador, pedindo que a empresa o colocasse na rua sem justa causa.

A atitude era comum, pois, desse modo, o empregado teria todos os seus direitos trabalhistas garantidos, recebendo valores que não seriam possíveis caso pedisse demissão ou fosse desligado por justa causa.

Assim, com a nova lei, a demissão consensual foi legalizada e instituiu suas próprias regras de funcionamento. Por isso, neste artigo, vamos conferi-las e explicar melhor como fazer esse tipo de acordo.

O que é demissão consensual?

A demissão consensual, como o nome sugere, é a demissão feita a partir de um acordo entre o empregado e o empregador. Por isso, para que ocorra uma demissão nesses termos, as duas partes devem concordar com o processo.

Assim, se o colaborador solicitar esse tipo de acordo, a empresa poderá aceitar ou recusar a solicitação, buscando o que for melhor para a corporação. No entanto, pense bem a respeito do pedido, afinal de contas, em algumas situações, o empregado poderá induzir um demissão sem justa causa.

Em outras palavras, causar situações desagradáveis, que não justifique justa causa, mas atrapalhe o andamento da organização. Nesse caso, será mais viável conceder a demissão consensual, principalmente em termos financeiros.

Como funciona a demissão consensual?

Como qualquer outro tipo de rescisão de contrato de trabalho - pedido de demissão e demissão sem ou com justa causa - a demissão consensual possui suas próprias regras de funcionamento.

Em resumo, são elas:

  • A empresa pagará apenas 15 dias de aviso prévio e 20% de multa rescisória sobre o FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço);
  • O colaborador terá direito ao saque de apenas 80% do seu FGTS e 50% do total das verbas rescisórias;
  • O colaborador não terá direito ao seguro-desemprego.

Ou melhor dizendo, a demissão consensual é uma espécie de meio termo para o pedido de demissão e o desligamento sem justa causa, trazendo benefícios para o empregado e para o empregador.

Esse tipo de acordo garante que o colaborador saia remunerado adequadamente e que a empresa arque apenas com metade dos custos de demissão.

Afinal, em uma demissão sem justa causa, a organização é obrigada a pagar todo o aviso prévio do colaborador, 40% de multa rescisória sobre o FGTS e 100% das verbas referentes à rescisão contratual.

Como fazer esse tipo de acordo?

A demissão consensual deve ser feita apenas em casos em que as duas partes estejam propensas ao comum acordo. Sendo assim, nada de coagir seus colaboradores a aceitarem a demissão consensual quando já estiver em seus planos realizar a demissão do funcionário, certo?

Assim, mesmo que seja mais barato para a empresa realizar uma demissão consensual, esteja ciente de que tentar coagir seu funcionário a assinar um acordo, no qual será prejudicado, pode trazer complicações jurídicas ainda mais caras. Por isso, para que tudo saia bem, faça tudo como manda o figurino!

Dessa forma, realizar a demissão consensual será simples, basta que algum de seus funcionários solicitem esse tipo de acordo e que, tanto empresa quanto empregado assinem a documentação necessária.

Alguns detalhes importantes: tenha escrito, do mesmo modo, o motivo pelo qual o empregado solicitou o desligamento e solicite, também, a presença de testemunhas no momento da rescisão do contrato de trabalho. Isso poderá evitar problemas futuros.

Agora que você aprendeu mais sobre demissão consensual e descobriu como é simples realizar esse tipo de acordo, mantenha todos os processos de demissões da sua empresa dentro da lei, ok?

Sua planilha foi enviada para
seu e-mail.

Caso não receba, lembre-se de conferir o SPAM ou Lixo eletrônico.

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário