Cálculo Folha de Pagamento: Salários, impostos e contribuições

O cálculo folha de pagamento é essencial para fazer uma empresa funcionar da melhor maneira possível. Saiba todos os detalhes para entender como fazer essa conta.

cálculo da folha de pagamento

Para poder fazer uma boa administração de empresa, o empreendedor precisa entender como funciona o cálculo folha de pagamento. Afinal, em algum momento será necessário fazer a contratação de funcionário para ajudar a empresa a crescer cada vez mais. E é bastante importante aprender a fazer esse cálculo o quanto antes possível já que ele é uma despesa fixa.

Tem algumas coisas que você precisa saber para aprender como calcular folha de pagamento, como, por exemplo, quais são os vencimentos (os elementos que somam a remuneração bruta), como funciona o FGTS, como calcular o imposto de renda na fonte e quais os benefícios concedidos aos empregados que impactam na folha de pagamento.

Conhecida por holerite ou contracheque, a folha de pagamento também se trata de um documento obrigatório por lei. Além de ser importante para a empresa, o trabalhador também precisa dessa documentação para garantir a aposentadoria, financiamentos e consórcios.

Por conta disso, o ideal é que o cálculo folha de pagamento seja feito por um especialista de RH na área de legislação trabalhista - dessa maneira, a chance de haver erros na folha são minimizados. Apesar disso, você pode aprender a fazer você mesmo, confira a seguir como calcular folha de pagamento passo a passo.

Controle de ponto

O ponto faz o controle dos horários do trabalhador, ou seja, a hora que chega na empresa, a hora que sai pro almoço, quando volta para o próximo turno, a hora que vai embora e as horas extras. Todas essas informações são importantes para fazer o cálculo correto do salário de cada funcionário.

Salário (bruto e líquido)

O cálculo do salário é feito de acordo com as horas trabalhadas, por isso ressaltamos no tópico anterior que fazer o controle do ponto de cada funcionário é tão importante. Então, qual a diferença entre salário bruto e líquido? O bruto é considerado o valor do salário líquido sem descontos.

Dessa maneira, o salário líquido é o valor total que o trabalhador recebe. Para tornar o salário horista em mensalista, basta multiplicar o valor do horário por 220.

INSS

O INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) é uma contribuição previdenciária obrigatória que equivale ao pagamento de aposentadorias e auxílios (doença, maternidade e acidentes, por exemplo).

Os valores variam entre 8% e 11%, de acordo com o salário bruto de cada trabalhador. Dessa maneira, alguém que recebe até R$ 1.751,81 por mês terá 8% descontado para o INSS; quem recebe entre R$ 1.751,82 e R$ 2.919,72 terá 9% de desconto; entre R$ 2.919,73 e R$ 5.839,45 o desconto será de 11%. Acima deste valor, o desconto terá o valor de R$ 642,34.

tabela do cálculo INSS

FGTS

O Fundo de Garantia por Tempo de Serviço é um programa criado pelo governo para dar ao trabalhador uma garantia do tempo de serviço prestado dentro da empresa. O cálculo é de 8% em cima do valor total dos vencimentos do empregado, ou seja, se o funcionário recebe R$ 3.000 terá R$ 240 a recolher.

Além disso, esse é um valor não descontado em folha, ou seja, o empregador faz o depósito direto em conta específica do empregado.

IRRF

Se você quer saber como calcular IRRF na folha de pagamento, então a principal coisa que você precisa saber é que a base de cálculo do Imposto de Renda retido na fonte é a mesma do INSS, mas aqui não há desconto da contribuição previdenciária. Assim como também não há descontos para os dependentes do trabalhador, ou seja, R$ 159,59 por pessoa dependente.

Salários de até R$ 1.903,98 não há dedução do IR; entre R$ 1.903,99 até R$ 2.826,65 a dedução do Imposto de Renda é de R$ 142,80; entre R$ 2.826,66 até R$ 3.751,05 a dedução do Imposto de Renda é de R$ 354,80; entre R$ 3.751,06 e R$ 4.664,68 o Imposto de Renda terá dedução de R$ 636,13 e acima de R$ 4.664,68 a dedução será de R$ 869,36, conforme a tabela abaixo.

tabela do cálculo do IRRF

Hora extra

Visto que a jornada de trabalho pode variar entre 120 e 220 horas mensais, sendo de 4 a 8 horas diárias, o cálculo das horas extras será feito de acordo com a jornada específica de cada trabalhador.

Por exemplo, se o funcionário trabalha 4 horas diárias, então o valor será feito em cima de cada hora além disso. O adicional fica entre 50 e 90% de segunda a sábado e de 100% em domingos e feriados.

Descanso semanal remunerado

De acordo com a CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), domingos e feriados são considerados dias de descanso, mas ainda assim devem ser remunerados. O valor para esses dias irá variar de acordo com cada mês, já que alguns tem mais feriados, outros menos.

Assim, para fazer o cálculo folha de pagamento do descanso semanal remunerado, você precisa começar contando o número de domingos e feriados no mês. Após isso, subtrair esse número de 30, dividir pelo resultado e multiplicar por 100. Na prática, se um mês tem 4 domingos e 1 feriado:

  • 30 - 5 = 25
  • 5 : 25 = 0.2
  • 0.2 x 100 = 20%

Adicional noturno

O horário noturno de trabalho é considerado entre 22h e 5h, se o trabalhador faz expediente dentro dessas horas, então ele deve receber um adicional noturno de 20% por cada hora feita dentro desse determinado período. Se o indivíduo recebe R$ 15 por hora trabalhada, então o valor do adicional noturno será de R$ 3 para cada hora trabalhada após as 22h.

Benefícios

Há muitos benefícios para o empregado que podem ser descontados em folha, mas vamos mencionar aqui apenas os dois principais, mais utilizados: o vale-transporte e o vale-alimentação. Para o primeiro, o empregador tem o direito de descontar até 6% do salário bruto do trabalhador, independentemente do valor total gasto com transporte.

Basta que o funcionário declare o valor que irá ser gasto no momento da contratação. Já o vale-alimentação pode ser descontado até 20% do salário bruto.

Vale lembrar que o vale-transporte é um benefício obrigatório enquanto que o vale-alimentação é fornecido de acordo com a vontade da empresa.

Faltas e atrasos

Se o empregado não apresentar justificativas para suas faltas e atrasos, a empresa pode descontar do salário. Em relação às faltas, o cálculo deve considerar também o valor do descanso semanal remunerado.

Por exemplo, se o valor do descanso é de R$ 400 no mês e o valor do total de faltas foi de R$ 200, então o desconto no salário será de R$ 600 no total.

O cálculo dos atrasos será feito de acordo com o tempo de cada atraso - mais uma vez mostrando a importância de ter um sistema de ponto para controlar os horários de cada funcionário. Para saber quanto descontar, faça o somatório de todos os atrasos no mês e o proporcional equivalente ao valor pago por hora.

Por exemplo, se a hora vale R$ 15 e o trabalhador teve um total de 45 minutos de atrasos, então será descontado um total de R$ 11,25.

Acompanhe o melhor conteúdo sobre
gestão de Recursos Humanos!

Deixe seu e-mail e receba conteúdo para aumentar o seu desempenho na gestão de pessoas!

O que você achou do post?

0 Respostas

Deixe seu comentário